Experimente grátis por 14 dias

O que é Recursos Humanos (RH)?

O termo recursos humanos se dá ao conjuntos de empregos ou colaboradores de uma organização. O mais frequente deve chamar-se assim à função que ocupa para adquirir, desenvolver, usar e reter os colaboradores da organização. A área de Recursos Humanos em uma empresa, tem semelhança na razão de existir com todas as outras áreas.

Teste grátis o nosso sistema de recrutamento e seleção de pessoas

Dentro de um sistema capitalista, onde o objetivo da empresa é gerar lucro para o acionista através do atendimento das necessidades da sociedade, todas as áreas de uma empresa têm o objetivo de melhorar o resultado da empresa, através de algum tipo de recurso. Então o RH é responsável por melhorar o resultado da empresa, através do recurso ?pessoas?. Ou seja, fazer com que os acionistas e a sociedade tenham suas necessidades atendidas, através do conhecimento, do trabalho e da atitude das pessoas de uma empresa.

....

Continuar lendo

Como construir e assegurar sua empregabilidade em 2014?

Vivemos num mundo de possibilidades infinitas! O Brasil vive um momento de quase pleno emprego. Vagas importantes são disputadas minuto a minuto. Há um apagão de mão de obra qualificada, o que dificulta o preenchimento de muitas vagas. A indústria e o setor de serviços sofrem com isso. Grandes corporações investem milhões em treinamentos, na tentativa de formar os técnicos de que necessitam.

Em meio a tudo isso, qual deve ser sua atitude? Que diferencial você pode e deve desenvolver para bem assegurar sua empregabilidade?

Há uma rotatividade muito grande, principalmente naqueles cargos de maior importância, dentro das corporações. Por que isso acontece? Por que jovens com currículos técnicos espetaculares têm dificuldades em se estabelecer?

É preciso estar atento, pois o mercado de trabalho no mundo em rede, sistêmico em que estamos, muito diferente do mundo cartesiano, onde cada um ficava em seu quadrado, está exigindo qualidades, valores que vão muito além do conhecimento técnico.

O primeiro aspecto fundamental que você deve desenvolver para assegurar sua empregabilidade no mundo globalizado é ter uma vida intrapessoal sólida, equilibrada, resiliente. Não há espaço para inseguranças, timidez, medo, estresse, etc.

Para ter uma vida intrapessoal exigida pelo mercado de trabalho, hoje, você deve vivenciar um grupo significativo de valores universais positivos, tais como: otimismo, disciplina, competência, paixão, a compaixão, persistência e perseverança, determinação e coragem, criatividade, resiliência e vontade, dentre outros, pois terá que tomar decisões, arriscar e buscar maneiras diferentes de solucionar problemas, que exigem estar afinado na vivência desses valores.

Como estamos num mundo em rede, o trabalho em grupo é fundamental, relacionar-se bem é uma exigência requisitada a todo instante. Para isso, você deve desenvolver uma vida interpessoal de altíssimo nível. Não há outra forma de conseguir isso sem a vivência de valores universais positivos, como: cordialidade e gentileza, afetividade, sinceridade e lealdade, tolerância e respeito, justiça, gratidão e reconhecimento, cooperação e solidariedade, comunicação efetiva, dentre outros.

Evidentemente, seu lado técnico bem desenvolvido somente terá sentido se você vivenciar alguns valores que o torna um profissional confiável, são valores como: a responsabilidade, assiduidade, o compromisso, a pontualidade, a agilidade, a comunicação efetiva, a resiliência, o humor, a competência, a iniciativa, a proatividade, a organização e vontade, dentre outros,

O grande diferencial para o profissional que busca por garantia e sucesso em sua vida profissional passa, inevitavelmente, pelo despertar de seu cérebro ético - Cérebro ético é aquela região de nosso córtex prefrontal responsável pelas experiências relacionadas à vivência dos valores universais positivos - e pelo desenvolvimento de sua inteligência ética. O que é Inteligência Ética? Todo ser humano tem o potencial de vivenciar os valores universais positivos. Quando esse potencial atinge um alto grau de desenvolvimento, damos-lhe o nome de inteligência ética.

No mundo em rede, sistêmico, num mercado de trabalho em plena evolução, competitivo, dinâmico, não dá para imaginar um profissional de sucesso sem inteligência ética plenamente desenvolvida.

Outro fator indispensável é o desenvolvimento de sua visão sistêmica. Ter noção clara da caminha que realizamos de um mundo cartesiano para o mundo sistêmico, em rede; ter a percepção de que tudo está interligado, que cada ação traz consequências para si, para a corporação, para as pessoas, para o mercado como um todo, para o mundo, para a sustentabilidade humana e a de nosso planeta.

Para que você se mantenha em pleno processo evolutivo, como tudo ao nosso redor, você deve, sistematicamente, rever suas crenças: Jamais permitir que crenças destrutivas, enfraquecedoras permaneçam em sua mente; eleve sempre seu padrão de linguagem, fazendo uso de palavras e de expressões fortalecedoras; busque inovar suas fontes de informações, optando por aquelas de mais alta qualidade e credibilidade; supervisione sistematicamente a qualidade de seus pensamentos, excluindo os pessimistas, negativos; mantenha sua saúde física e mental em excelente estado, praticando exercícios, selecionando adequadamente sua alimentação e deixando de lato qualquer tipo de droga.

Percebe-se que para construir sustentabilidade para sua empregabilidade é um processo de desafiante. É importante lembrar que o poder está dentro de você. A alegria maior está nesse processo de construção constante, que o leva ao sucesso.

 

Fonte: Prof. Roberto

Atrair candidatos é desafio para empresas com vagas disponíveis

Segundo Paula Galvão, consultora em RH, uma medida a ser tomada pela organização é ela se tornar atrativa para o candidato. "As empresas precisam definir boas políticas de remuneração, tornar o processo de seleção menos rigoroso, aumentar investimento em treinamentos para compensar essa decisão da seleção e focar em recrutamento interno", afirma.

Ela explica que uma estratégia comum em grandes empresas é construir um alto PVE (Proposta de Valor ao Empregado) que gerencia a imagem da organização no mercado e dos empregos que a empresa oferece, fazendo com que consiga os melhores talentos. "A Google e a Natura, por exemplo, possuem alto PVE, todos querem trabalhar lá. Isto é algo construído com o tempo, definindo-se qual o perfil do candidato ideal e trabalhando em atingi-los", ressalta.

Oportunidades

Tornar as oportunidades de trabalho conhecidas no mercado é outro ponto-chave. O uso de redes sociais como blogs, twitter e portais da internet tem se tornado cada vez mais frequentes, e a empresa deve aproveitar esses canais. ?Todos os canais possíveis devem ser atingidos para que o maior número de pessoas fique sabendo das oportunidades?, lembra Paula, que também é sócia da Kombo.

As parcerias também não devem ser deixadas de lado, já que podem auxiliar na hora de encontrar um novo talento. "Ferramentas para captação on-line tornam-se indispensáveis e um diferencial competitivo fortíssimo, assim como parceiros para ajudar na divulgação das vagas", explica a consultora.

Paula destaca que outra questão fundamental para conseguir preencher as vagas é o gerenciamento dos currículos que chegam à empresa. "Os currículos passam a ser um dos bens mais valiosos num mercado de trabalho em oferta e, desta forma, um aproveitamento eficaz do material que chega pode ser decisivo", afirma.

Assim como os currículos, os colaboradores que já estão na empresa devem ser valorizados. Possuir planos atrativos de treinamento e desenvolvimento, políticas de qualidade de vida e ambiente favorável podem fazer a diferença caso os funcionários atuais sejam sondados por concorrentes. "Num mercado de trabalho em oferta, uma alta taxa de rotatividade pode ser altamente comprometedora para qualquer negócio", conclui Paula.

 

Fonte:http://www.administradores.com.br/

Você escolhe onde quer trabalhar

Pesquisas apontam que 48% dos brasileiros estão insatisfeitos com seus empregos. Isso se deve não só ao salário, mas também à sua profissão e área de atuação.

Seja qual(is) for(em) o(s) motivo(s), tudo isso só depende de você para mudar. São as suas atitudes que irão definir onde você estará trabalhando daqui a alguns anos (ou meses). Tudo depende da sua vontade e perseverança.

O primeiro passo é "se descobrir", saber o que te faz feliz e em que área você gosta e tem prazer de atuar. Depois disso, pesquisar os requisitos necessários para estar inserido neste mercado. Daí, vem a preparação. Seja fazendo um curso de especialização, graduação ou até mesmo um profissionalizante, o importante é que esteja buscando conhecimento sobre aquela determinada área. E percebam: Nunca será suficiente!

O mercado de trabalho competitivo exige atualizações constantes. Nem sempre isso ocorre apenas com cursos, muitas vezes é necessário participações em palestras, workshops e demais eventos relacionados à sua carreira. Isso vai fazer grande diferença no alcance dos seus objetivos. E, por fim, não desista. Continue em busca do que deseja (e faz por onde alcançar) que você vai encontrar a sua oportunidade (ela não "aparecerá" como em um passe de mágica, mas você vai encontrá-la através de muito esforço).

Boa sorte e muito sucesso!

 

Fonte: Bruno Castro

Flexibilidade é a chave para atrair e reter talento

Os últimos anos têm sido provavelmente os anos mais complicados para as empresas, do ponto de vista de Gestão de Talentos, pois os especialistas em recrutamento afirmam que apenas 13% dos líderes de Recursos Humanos têm as ferramentas necessárias para gerenciar suas iniciativas e a missão de integrar até três gerações dentro de suas estruturas empresariais.

Estas gerações são:

1) baby boomers - dedicados, workaholics, competitivos e focados em resultados, ocupando posições de liderança e pertencentes a faixa etária entre 50 e 65 anos;

2) geração X - reflexivos, buscam um ambiente de trabalho mais informal e com uma hierarquia menos rigorosa. São independentes, empreendedores e com capacidade de trabalhar com ferramentas analógicas e digitais, na faixa etária dos 35 aos 45 anos;

3) geração Y - os mais jovens, com no máximo 30 anos, e identificados pelo desenvolvimento do pensamento sistêmico, com a possibilidade de olhar para o global e o local; consideram o trabalho uma forma de satisfação e aprendizado; apesar de preferirem receber instruções específicas de um líder, são ótimos quando se trata de encontrar soluções criativas.

Diante deste cenário, como as organizações podem obter os melhores profissionais? Se a prioridade atual for permitir que Recursos Humanos forneça uma contribuição mais estratégica em benefício do negócio e que contribua para sua transformação, a resposta está na nuvem, por meio de aplicativos escaláveis, flexíveis, com as melhores práticas incorporadas e que suportem de modo integral os processos de gestão de talentos do início ao fim.

Novas formas de administrar o talento

Como condição prioritária, é preciso conhecer a sua força de trabalho à fundo para obter os melhores resultados. A gestão de talentos requer um novo ambiente que facilite a disponibilização de informações, dados e atualizações em tempo real. As novas soluções de Gestão do Talento na nuvem devem ser capazes de oferecer uma visão abrangente e global dos talentos disponíveis na organização.

Esta solução também deve apoiar o crescimento global da companhia, ao mesmo tempo em que se adapta às necessidades locais por intermédio de uma base de dados abrangente e escalável. Deve ainda ser flexível para incorporar novos processos exigidos por novas tendências, melhores práticas ou modificações na estratégia de negócios.

Quando uma empresa decide investir em um aplicativo para gestão do capital humano na nuvem ela espera e deve obter benefícios significativos e coerentes com as necessidades atuais como funções analíticas, colaborativas, acesso às redes sociais mobilidade sofisticada, assim como capacidade para ampliar a inteligência nos negócios, de forma rápida, segura e eficiente.

Um benefício também significativo é que com as soluções na nuvem a área de Recursos Humanos de empresas de diferentes setores e portes terá acesso a aplicativos robustos, alinhados com as melhores práticas da indústria, desenvolvidos para funcionar em harmonia com as necessidades de cada organização.

Além disso, ao contrário das plataformas on premisse, o fato de estar em cloud computing reduz os investimentos da área de TI. Estas novas geração de soluções permite que os responsáveis pelo RH determinem como gerenciar seu ambiente de trabalho e configurar seus processos de negócios no software.

Nesse ambiente de total flexibilidade e escalabilidade, a Gestão dos Talentos de cada funcionário, a partir de interfaces 100% personalizadas, é real, permitindo acima de tudo que a empresa integre melhor suas equipes, ampliando a produtividade, a retenção e a motivação.

Portanto, neste momento, é preciso refletir sobre a direção das nossas organizações e sobre quem desejamos que se junte a nós no caminho para assegurar não só a continuidade do negócio, mas a inovação e os diferenciais competitivos. Gerir o capital humano de maneira eficiente é cuidar do bem mais precioso para o sucesso nos negócios.

 

Fonte: Eduardo Lopez

Páginas:
1234Próximo

Redes sociais